São Mateus não terá praça de pedágio com concessão da BR 476

24 de julho de 2015

460 km de rodovias que fazem parte do pacote serão cortadas por seis praças; na região, cidades contempladas foram Lapa e Paulo Frontin

 

DSC_0661Foto: jornal ACONTECEU

 

Apesar do interesse, o município de São Mateus do Sul ficou de fora na distribuição das praças de pedágio que serão instaladas no trecho de 460 quilômetros contemplados com o pacote de concessão que será leiloado ainda este ano. O trecho da BR 476 que passará para a iniciativa privada terá duas praças, uma na Lapa e outra em Paulo Frontin.

Os detalhes do projeto foram divulgados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que abriu o edital de concessão do trecho para consulta pública na semana passada. Ele abrange as BR 476, 153, 282 e 480, iniciando pela Rodovia do Xisto na cidade de Lapa e indo até União da Vitória, onde segue pelas outras rodovias até Chapecó e a divisa com o Rio Grande do Sul. Com a concessão, as BRs serão duplicadas e receberão outros investimentos de melhorias.
Foi definido para o sistema rodoviário em questão um esquema de pedagiamento com seis praças, com tarifa máxima de 0,13 por quilômetro, ou seja, R$ 13 para cada 100 quilômetros. A praça mais cara será a da Lapa, com previsão máxima de R$ 14,50. As seguintes serão localizadas em Paulo Frontin e General Carneiro, ainda no Paraná, e em Vargem Bonita, Concórdia e Xanxerê, já em Santa Catarina.

Apesar de ficar sem a praça de pedágio — e consequentemente sem os consideráveis recursos do Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISS) que ela representaria para o município — São Mateus do Sul será contemplada com a implantação de um contorno de 10,9 quilômetros, que vai tirar o tráfego pesado da área urbana de São Mateus do Sul.

Questionado pelo jornal ACONTECEU, o prefeito em exercício, Clóvis Distéfano, disse que a informação divulgada pela ANTT condiz com o que está definido no momento, e que ele, juntamente com Clóvis Ledur, segue reivindicando que a praça venha para São Mateus, apesar de não ter como interferir na decisão final, havendo ou não alguma alteração.

Termina no fim do mês o prazo para recolhimento de sugestões às minutas do edital, permitindo então a abertura da concorrência. Quando a empresa assumir o trecho, ela precisará executar pelo menos 10% das obras de duplicação para dar início à cobrança da tarifa de pedágio.

Comentários