Protesto dos caminhoneiros atinge rodovias da região

06 de março de 2015

Manifestantes mantiveram bloqueios mesmo após imposição de multas e força policial; na região, houve paralisação na BR 476 em Paula Freitas e na PR 151 em Palmeira

 bruna-kobus-vvale

Os protestos dos caminhoneiros, que começaram há duas semanas, tiveram continuidade até o início da semana, mesmo com imposição de multas e força policial, e contou com diversos novos pontos de bloqueio de rodovias que atingiram 12 estados, impactando a produção de alimentos, exportações e abastecimentos.  No Paraná, a semana começou com três novos bloqueios, em Barracão, Paranavaí e Nova Esperança, mas cidades da região também tiveram tráfego comprometido nos últimos dias.

Na sexta (27), caminhoneiros interditaram a BR 476 próximo ao Posto Carretão, em Paula Freitas, gerando uma fila de 20 quilômetros. Sob fiscalização da Polícia Rodoviária Federal (PRF), permitia-se a passagem de cargas vivas, de segurança e de combustível.

O trânsito de caminhões também ficou bloqueado na PR 151 em Palmeira, em frente ao Ginásio de Esportes Sebastião Amâncio, durante determinados períodos na quarta, quinta e sexta-feira da mesma semana. Veículos leves, ônibus de passageiros e caminhões com carga viva foram liberados para seguir viagem, enquanto os demais tinham de estacionar em frente ao ginásio.

Em Irati, dezenas de caminhoneiros e agricultores fizeram uma carreata pelas ruas do centro da cidade, na manhã de sábado (28), expondo faixas com frases de ordem para chamar a atenção da comunidade para as reivindicações da categoria.

Os caminhoneiros vinham pedindo, principalmente, pela redução no preço do óleo diesel e do pedágio e tabelamento dos fretes. Ainda no contexto das negociações para colocar fim às manifestações da categoria, a presidente Dilma Rousseff sancionou, sem vetos, a nova Lei dos Caminhoneiros, que garante, entre outros pontos, isenção de pagamento de pedágio para eixo suspenso de caminhões vazios, perdão das multas por excesso de peso expedidas nos últimos dois anos e ampliação de pontos de parada para descanso e repouso. A Secretaria Geral da Presidência ainda informou que o governo tomará as medidas necessárias junto ao Congresso Nacional para permitir a prorrogação por 12 meses das parcelas de financiamentos de caminhões adquiridos por programas federais.

O governo anunciou que vai estimular o diálogo entre caminhoneiros e empresários para a construção da tabela de frete, e que não vai elevar o preço do diesel nos próximos seis meses, mas também não vai reduzir a tarifa.

Fotos: Vvale/Gazeta de Palmeira/Najuá (respectivamente)

gazeta-de-palmeira

paulo-henrique-sava

Comentários