Preço máximo de pedágio fixado na concessão da BR 476 assusta usuários

17 de julho de 2015

Edital foi aberto para consulta pública esta semana, prevendo tarifa de até R$ 13,40 a cada 100 km

 DSC_0688Duplicação da Rodovia do Xisto poderá pesar no bolso dos usuários (foto: jornal ACONTECEU)

 

O preço máximo do pedágio das BRs 476/153/282/480, que compõem pacote de concessão a ser leiloado ainda este ano, assustou os usuários das rodovias esta semana. Na terça-feira (14), a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) abriu o edital de concessão do trecho para consulta pública, a fim de colher sugestões às minutas para a abertura da concorrência, e divulgou a tarifa máxima imposta em R$ 13,40 a cada 100 quilômetros, colocando-a entre as mais caras do Estado.

O trecho a ser contemplado inicia na Lapa, seguindo pela BR 476 até União da Vitória, partindo para Santa Catarina pelas BRs 153, 282 e 480, até Chapecó e a divisa com o Rio Grande do Sul, numa extensão total de 460 quilômetros, abrangendo 19 municípios. A concessão permitirá a duplicação das rodovias, entre outras melhorias.

Como referência máxima, o valor da tarifa pode diminuir conforme o interesse e concorrência do leilão, mas ainda assim preocupa os motoristas, pelo pedágio tradicionalmente caro no Paraná. Além disso, o governo elevou para 9,2% a taxa de retorno para as próximas concessões, que interessa os investidores, no intuito de melhorar a quantidade de empresas interessadas na concessão.

Conforme o edital, a empresa ou consórcio vencedor inicia com as obras emergenciais, como o fechamento de buracos e pintura de faixas. Após concluídos esses trabalhos, iniciam-se outras melhorias, como sinalizações verticais, construção das praças de pedágio  e as obras de duplicação, além da construção de um contorno em São Mateus do Sul. Somente com 10% das duplicações finalizadas, o pedágio pode começar a ser cobrado. São Mateus do Sul está na briga para receber uma das praças e assim ser beneficiado com o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS).

Comentários