Mudanças no clima colocam população e Defesa Civil em alerta

05 de junho de 2015

Instabilidade típica do outono anuncia período de chuvas; após episódios de enchentes, Defesa Civil afirma estar mais preparada

 

834chuvasTemporal do dia 27 de maio assustou, gerando 49 ocorrências para atendimento da Defesa Civil (foto: jornal ACONTECEU)

 

As fortes chuvas da semana passada, com ventos chegando a 80 km/h, assustaram os são-mateuenses, que naturalmente reviveram um pouco da insegurança das enchentes, lembrança ainda muito consistente devido aos episódios vividos nos últimos anos, sempre no mês de junho. Apesar do razoável número de danos por consequência do temporal de 27 de maio, o nível dos rios que banham a região não se alterou a ponto de provocar enchentes. A cidade, contudo, se mostra alerta.

A Coordenadoria Municipal da Defesa Civil anunciou nos últimos dias que antecipou a preparação para o período de chuvas, inclusive abrindo cadastro para voluntários que se interessem em atuar diante de situações de emergência. E com a mudança no clima, não precisou esperar muito para colocar as equipes em ação. Segundo dados do órgão, 49 ocorrências foram registradas entre as noites de terça (26) e quarta-feira (27), entre danos em residências e edificações comerciais da área central do município, além da queda de mais de 50 árvores.

A Defesa Civil afirma estar mais preparada este ano, em termos de estrutura e de planejamento para lidar com as situações. “Do ano passado pra cá, nós revisamos os atendimentos feitos às famílias em junho de 2014, identificamos as dificuldades, revisamos todo o quadro interno e ampliamos a equipe da Defesa Civil. Queremos minimizar quaisquer eventuais danos causados pela alta precipitação da chuva”, explicou o coordenador da Defesa Civil, Benedito Facini, em nota da assessoria à imprensa. Entre equipamentos, o órgão dispõe atualmente de quatro caminhões disponíveis para realizar esses atendimentos, além de três carros de apoio e duas retroescavadeiras.

Apesar da estruturação do órgão trazer maior segurança, a instabilidade dos rios pesa no sentido oposto. Na madrugada de sábado (30), o nível do Rio Iguaçu alcançou dois metros na região de São Mateus do Sul, segundo medição hidrológica da Copel, e seguiu subindo ao longo da semana, porém em ritmo lento. Para atingir a primeira casa, na vila Amaral, o Iguaçu precisa alcançar a marca de 4,80 metros. Em junho de 2014, a medição alcançou mais de seis metros. Na região do Canoas, o transbordamento é mais propício em caso de grandes precipitações em um curto período de tempo. O dilema que envolve o canal é a ponte construída na Rua Desembargador Joaquim Ferreira Guimarães, que, para os moradores, agrava as inundações. No ano passado a Prefeitura fez uma abertura com tubos de concreto na lateral para aumentar a vazão, e anunciou a construção de uma barragem para acumular a água da chuva da Vila Pinheirinho e parte da Vila Prohmann, liberando-a aos poucos.

Previsões

De acordo com o Instituto Meteorológico Simepar, há mais dois períodos de instabilidade previstos para o mês de junho na região, associados a frentes frias. No dia 8, de forma mais pontual, e no dia 14 de junho, com possiblidade de chuvas mais consistentes. “Essas instabilidades são associadas basicamente a frentes frias, que podem ter condução de volume maior se houver uma contribuição de umidade e calor de outras regiões. Mas até o momento, a previsão, é chuva dentro do padrão”, informa o meteorologista Fernando Mendes.

Comentários