Crimes contra o patrimônio crescem 25% na região de São Mateus

14 de outubro de 2016

Furtos de veículos estão entre os índices que mais aumentaram, segundo relatório criminal da Sesp

 

furto-de-carro-1421357319912_615x300

 

A criminalidade aumentou em São Mateus do Sul e região. É o que revela o último Relatório Estatístico Criminal da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná, que traz dados do primeiro semestre de 2016 e possibilita comparativo com o mesmo período do ano passado. Na 5ª Área Integrada de Segurança Pública (AISP), que inclui São Mateus do Sul e mais oito municípios vizinhos, o aumento nos índices ocorreu na maioria dos crimes, mas o que mais chama atenção são as ocorrências contra o patrimônio.

Conforme o relatório, os crimes contra o patrimônio somaram 1492 ocorrências no primeiro semestre de 2015, número que saltou para 1865 ocorrências nos seis primeiros meses de 2016 — um crescimento de 25%. Individualmente, os furtos consumados chamam mais atenção — de 855 de janeiro a junho de 2015 para 1132 no mesmo período de 2016, aumento de 32,4%. Os roubos cresceram 30,6% — de 186 para 243 em um ano.

Dentro dessas ocorrências estão crimes envolvendo veículos, exemplo no qual a diferença preocupa. Foram 23,2% mais roubos de carro no período e 56,8% mais furtos. Porém, as recuperações de veículos foram mais expressivas — cresceram 45,4%.

De outro lado, houve redução de alguns crimes, como lesão corporal (-18,8%), crimes contra a dignidade sexual (-17,3%) e ocorrências envolvendo uso/consumo de drogas (-19,5%). Em relação ao número de homicídios, que compõem um relatório à parte, foram 14 na 5ª AISP no primeiro semestre de 2016, 13 homicídios dolosos e um latrocínio. Em São Mateus do Sul, houve apenas um caso no período.

A nível de Paraná, os crimes contra o patrimônio cresceram 10,54% em comparação com janeiro a junho de 2015, segundo o levantamento, o que mostra que o aumento foi maior em nossa região. Ainda assim, em números gerais, a 5ª AISP figura entre as regiões de menor criminalidade no Paraná, em todos os tipos de delitos.

Para o secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná, Wagner Mesquita, os crimes contra o patrimônio têm uma relação de causa e efeito com a crise econômica e a situação de impunidade pela qual ele destaca que o País passa. “Estamos vendo o aumento do número de desempregados, que já supera 12 milhões de brasileiros. A consequência deste cenário, no Brasil todo, é o crescimento de crimes patrimoniais. Aqui no Paraná, não foi diferente. Registramos aumento nos furtos e roubos, o que exigiu medidas emergenciais”. Entre essas medidas destacadas pela Secretaria está a Operação Impacto, deflagrada há três semanas envolvendo todos os órgãos de segurança pública do Paraná, como estratégia de combate à criminalidade do Paraná, em especial contra crimes como roubo e furto, que incluiu a locação de viaturas e contratação de policiais.

O jornal ACONTECEU buscou uma opinião do delegado da 3ª Subdivisão de Polícia Civil (SDP), Jonas Eduardo Peixoto do Amaral, sobre esses índices, porém, ele comunicou que ainda não recebeu oficialmente os relatórios e que é necessário analisar os números e questões associadas para comentar com maior propriedade a situação, colocando-se à disposição para uma entrevista dentro de alguns dias.

 

Comentários