Prefeito fala na Câmara sobre o desequilíbrio econômico da Prefeitura

06 de maio de 2016

Ledur disse que as dívidas que ficaram pendentes no final do ano passado foram pagas

 

DSC_0011Foto: jornal ACONTECEU

 

Dois projetos do Executivo, quatro requerimentos e duas indicações formaram a pauta da 13ª sessão ordinária da Câmara Municipal de São Mateus do Sul, na segunda-feira (2). O encontro ainda contou com a presença do prefeito, Clovis Ledur, fazendo comentários e respondendo questionamentos sobre a situação financeira da Prefeitura.

Aprovados, os projetos 026 e 027/2016 abrem no orçamento crédito suplementar, de R$ 28 mil e R$ 193,1 mil, respectivamente. Os requerimentos 040 e 041/2016 estimaram voto de pesar às famílias pelo falecimento de Terezinha Kuczera e Sezefredo Kurcheski. Já o requerimento 042/2016 solicita à Secretaria de Finanças informações sobre os valores repassados às entidades por meio do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, referente às doações no imposto de renda, entre 2004 e 2015. A ideia, segundo o autor Luiz Cesar Pabis, é demonstrar para a população a evolução do montante arrecadado com as doações e estimular a colaboração nos próximos anos. Já Márcio Antonio de Lima Barbosa (Cabo Lima) solicitou, pelo requerimento 043/2016, levantamento da quantidade de horas-extras realizadas pelos funcionários da Prefeitura, desde 2013. Ele disse ser necessário ter um controle mais efetivo e cuidar da folha de pagamento.

A indicação 049/2016 solicita um dentista para atuar pelo menos duas vezes por semana na unidade de saúde do Faxinal dos Elias (autoria de Omar Picheth e Cabo Lima). Ainda, a indicação 050/2016 foi aprovada sugerindo a proibição de estacionamento em algumas vagas do cruzamento da rua Dona Estefânia com Ledy Afonso Roderjan (esquina do Supermercado Brongiel), com a devida sinalização, além de semáforo, para evitar os constantes acidentes registrados no local pelo grande fluxo e visibilidade comprometida. A proposta também é de Cabo Lima.

 

“Hoje a dívida está liquidada”

O desequilíbrio financeiro enfrentado recentemente pela Prefeitura foi o principal assunto abordado durante a participação de Ledur na sessão da Câmara desta semana, logo após as votações. O prefeito primeiramente agradeceu o auxílio da Câmara ao aprovar as medidas necessárias para o pagamento dos valores em atraso, e explicou que isso ocorreu devido ao momento difícil pelo qual passa o país e a redução da arrecadação que refletiu em todos os municípios, não apenas aqui. “Trabalhamos com uma expectativa que não se concretizou e acabou por dar o desequilíbrio financeiro”, comentou.

Ele atribuiu as principais dificuldades à crise nacional e também na Petrobras/SIX, não só pela redução da arrecadação que vem da empresa, mas pela drástica redução dos serviços e vagas de empregos de terceirizadas que ocorreu ao longo do ano passado. “A redução de trabalho na SIX resultou em menos empregos e isso sobrecarregou os serviços municipais, pois esses funcionários deixaram de ter planos de saúde e também tiveram que retirar filhos de escolas particulares e levar para as escolas públicas, assim como passaram a utilizar os serviços públicos de saúde e farmácia. Foram mais de 4 mil pessoas de um momento pra outro usando os serviços públicos”, argumentou.

Ledur assegurou que a dívida hoje está liquidada, e que só existem as dívidas correntes e financiamentos. Destacou o trabalho de contenção de gastos e citou alguns projetos que se desenvolveram recentemente, como a melhoria no contraturno escolar das crianças, saúde e mudanças no Plano Diretor, e disse que está pleiteando verbas junto à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano (Sedu) para pavimentação de mais vias urbanas, demonstrando estar com a certidões negativas todas em ordem.

Comentários

Leia também:

dsc_0296

As últimas impressões de Ledur

23 de dezembro de 2016