Maioria do eleitorado são-mateuense é favorável a Aécio e Richa

10 de outubro de 2014

26.938 eleitores votaram pelas Eleições Gerais no último domingo (5), na cidade; candidatos locais não alcançaram os cargos pretendidos

DSC_0084

Os eleitores de São Mateus do Sul, cidade cujo eleitorado compreende 70% da população, foram às urnas no último domingo (5), e demonstraram preferência, em geral, pelos candidatos tucanos.  26.938 eleitores (84% do total) compareceram às 103 seções de 12 zonas eleitorais espalhadas pela cidade para votar.

O governador reeleito já em primeiro turno, Beto Richa (PSDB), também foi preferência particularmente em São Mateus do Sul, alcançando 13.349 votos na cidade. Roberto Requião (PMDB) atingiu 6.375 votos locais, enquanto Gleisi Hoffmann (PT) fez 4.429 votos na capital do xisto.

No confronto da presidência, a diferença foi menor, mas o resultado indicou preferência são-mateuense pelo candidato Aécio Neves (PSDB), que enfrenta Dilma Rousseff (PT) no segundo turno. Foram 12.541 votos para o tucano, contra 10.211 votos locais para a petista. Marina Silva (PSB) fez 1.785 na cidade. Ao Senado, a preferência local seguiu o mesmo caminho: Álvaro Dias (PSDB) fez 17.308 votos locais.

Havia uma certa expectativa pela eleição de Clóvis Distéfano (PSC), atual vice-prefeito de São Mateus do Sul, que disputava uma vaga na Assembleia Legislativa, principalmente pela impulsão do candidato Ratinho Junior, do mesmo partido. Apesar de ser o mais votado na cidade, seus 11.207 votos totais não foram suficientes para colocá-lo no cargo. O segundo candidato a deputado estadual mais votado na cidade foi Ney Leprevost (PSD), com 2565 votos são-mateuenses. As outras duas candidatas locais, Lúcia Cabeleireira (PSB) e Andressa (PSB), obtiveram 102 e 62 votos, respectivamente.

Na disputa pela Câmara Federal, Valdir Rossoni (PSDB) foi o mais votado em São Mateus, com 4.269 votos, seguido por Evandro Roman (PSD), com 2.426 votos, e Sandro Alex (PPS), com 2.359 votos. Christiane Yared (PTN), a estreante na política que se tornou a deputada federal mais votada no Paraná, com mais de 200 mil votos, recebeu 164 votos na cidade. O candidato local João Bosco (PSB), obteve 2.744 votos totais.

Cidade limpa

O dia de eleições foi de tranquilidade na cidade. De acordo com a 12ª Zona Eleitoral, houve apenas problemas com três urnas eletrônicas, em seções de Água Branca, da Escola Municipal Pedro Effco, e no Colégio Duque de Caxias, de Antonio Olinto, que foram substituídas e permitiram a continuidade das votações sem mais transtornos. Além disso, um homem foi preso por jogar santinhos nas ruas. Apesar da detenção do indivíduo, a cidade foi exemplo de limpeza, ao contrário de muitos municípios, onde até mesmo acidentes foram registrados por conta da quantidade de santinhos espalhados pelas ruas. Horas antes da abertura das votações, uma equipe do Cartório Eleitoral e da Prefeitura fizeram uma ação de recolhimento de santinhos pelas ruas e, com exceção do caso da prisão, durante o restante do dia as leis foram respeitadas e a cidade permaneceu limpa.

Nas 103 seções eleitorais de São Mateus, o movimento foi constante ao longo de todo o dia, mas sem filas muito expressivas. O trabalho dos 466 mesários foi considerado bastante eficiente, sem nenhum erro apresentado nas mídias de resultado. Às 18h25, a apuração já havia sido concluída.

DSC_0117

E agora, São Mateus?

Para as lideranças políticas municipais, se o resultado das eleições é favorável à cidade, depende do ponto de vista. O prefeito Clóvis Ledur (PT) manifestou apoio ao candidato a deputado federal Angelo Vanhoni, que não se elegeu, assim como os representantes do PT ao Senado e ao governo estadual também não venceram — além do apoio ao candidato local à Assembleia Legislativa, Clóvis Distéfano. Para ele, a votação em São Mateus seguiu a tendência do Estado do Paraná e, apesar de alguns de seus candidatos não terem sido eleitos, obtiveram votação expressiva, e alguns nomes serão importantes para a cidade. “Sabíamos que se Vanhoni fosse eleito, seria sua última legislatura. Trabalhamos para ele, mas também apoiando o deputado federal Toninho Wandscheer, que será nosso elo em Brasília. Também temos espaço para conversar com os candidatos bem votados aqui, como Valdir Rossoni e Evandro Roman, além de Sandro Alex, que sempre tem dado apoio a São Mateus do Sul”, relata. Ledur ainda defende a reforma política, que permitiria o voto distrital e a eleição dos candidatos da região, e mantém expectativa pela reeleição de Dilma Rousseff. “Dentro de uma grande conjuntura, é a peça chave para nós. É a continuidade de uma trajetória de um ótimo trabalho e muitos projetos para nós”.

Do outro lado, o ex-prefeito Luiz Adyr Gonçalves Pereira, liderança do PSDB em São Mateus do Sul, comemora a eleição de muitas de suas alianças, como os candidatos a deputado estadual e federal, Ney Leprevost e Valdir Rossoni, respectivamente, além do senador Álvaro Dias e do governador Beto Richa. Segundo ele, foi atingido seu objetivo de ajudar a eleger candidatos adequados e de credenciar o município a receber a devida retribuição por parte dos eleitos. “A preocupação maior que tive, junto com o grupo político que me acompanha, foi o de pedir e canalizar votos para candidatos legislativos dispostos a assumir compromissos com São Mateus do Sul, e que tivessem a indispensável viabilidade eleitoral. Julgo que isso é uma questão de responsabilidade política, é nosso dever perante os eleitores são-mateuenses”, opina.

Derrotado em sua segunda candidatura como deputado estadual, Clóvis Distéfano diz que, apesar de não ter sido eleito, teve votação expressiva e viu que a população aceitou a ideia de eleger um deputado de São Mateus do Sul. Defende a necessidade de haver unificação das eleições e também maior envolvimento das pessoas no processo eleitoral, considerando o grande índice de abstenções. Mas vê trabalhos importantes em relação aos parceiros eleitos. “Temos um trabalho junto ao Beto Richa, com nosso partido, e também a amizade com Ratinho Junior, que é um apoio junto ao governo. O PSC ainda elegeu Hussein Bakri, de União da Vitória, que é um representante na Assembleia pela região da Amsulpar. Tenho muita gratidão para com aqueles que votaram em minha candidatura. Plantamos uma semente em relação a ter um candidato nosso”.

Antonio Olinto e São João do Triunfo

Na cidade vizinha de Antonio Olinto, o perfil do eleitorado não foi muito diferente. Já São João do Triunfo mostrou preferências um pouco mais distintas.

Em Antonio Olinto, cidade também abrangida pela 12ª Zona Eleitoral, compareceram às urnas 5.370 eleitores (84% do total), que preferiram também Aécio Neves (2.453 votos) e Beto Richa (2.268 votos). O deputado estadual mais votado foi Anibelli Neto (PMDB), com 1.272 votos, seguido por Ratinho Junior (585 votos) e Clóvis Distéfano (531) votos. Já entre os candidatos a deputado federal, João Arruda (PMDB) foi o mais votado, com 1.419 votos recebidos, seguido por Sandro Alex (777) e Valdir Rossoni (334). Para o Senado, deu Álvaro Dias (2731 votos).

Em São João do Triunfo, 9.188 eleitores foram às urnas, e a maioria preferiu Dilma Rousseff na presidência, obtendo 4.847 votos, contra 3.157 votos de Aécio Neves. Ao governo estadual, a maioria foi a favor de Beto Richa (3.290 votos), seguido de Gleisi Hoffmann, que alcançou 2741 votos na cidade, 600 a mais que Roberto Requião. Entre os candidatos a deputado estadual, o mais votado foi Altamir Sanson (PSC), com 1.468 votos, seguido de Alisson Wandscheer (PT), com 812, e Alexandre Curi (PMDB) com 548. Entre os deputados federais, Sandro Alex ficou na frente, com 2.253 votos, seguido de Toninho Wandscheer (PT), com 1492, e Valdir Rossoni, com 1.201. Ao Senado, Álvaro Dias obteve 4.768 votos.

Fotos: jornal ACONTECEU

Comentários

Leia também:

dsc_0296

As últimas impressões de Ledur

23 de dezembro de 2016