Rumo à Patagônia – Parte 2: 10 mil quilômetros sobre duas rodas

03 de abril de 2015

Grupo de motociclistas locais retorna de viagem que alcançou a Carretera Austral e Ruta 40; quatro países e 25 dias de aventura por paisagens de tirar o fôlego ruta 7 carretera austral

Fotos: Arquivo do grupo

Depois de quase um mês percorrendo alguns dos trajetos mais inóspitos e impressionantes da América Latina, um grupo de motociclistas locais conta os resultados da viagem. Foram mais de 10 mil quilômetros sobre duas rodas, superando serras, montes, cordilheiras e estradas perigosas, percorrendo a Ruta 40 e a Carretera Austral, para explorar a Patagônia chilena e argentina. Participaram da aventura Luiz Ernani de Castro, Tatiana de Oliveira Freire, Rogério Mendonça Santana, Marcelino Kaiser, Luiz Carlos Caus, Hilton Schumann e Wilmar Cominski, além de Odirlei Batista e Paulo Alessandro Kormann que os acompanharam em um carro de apoio. As regiões percorridas — que envolveram Brasil, Uruguai, Argentina e Chile — revelam grande diversidade geográfica e cenários de aventura. “Foi um desafio físico e mental. A cada dia surgiam novos desafios, variações de temperaturas, de altitude. Ao mesmo tempo, ótimas companhias e paisagens incríveis, que te tiram da rotina”, conta o motociclista Marcelino. “É como se saíssemos de um mundo e tivessem nos colocado em outro”. Entre os momentos mais marcantes da viagem, o grupo destaca a passagem pela Cordilheira dos Andes, visualizando o Monte Aconcágua, as curvas sem fim del Caracol, a agitada Santiago do Chile, além de Valparaíso, da Rota dos Sete Lagos, passando pelo Vulcão Villarrica, que dias antes havia entrado em erupção, e da charmosa Bariloche. A esperada Carretera Austral desafiou os aventureiros a 800 quilômetros em estrada de chão e os direcionou a perigosos penhascos, mas premiou os motociclistas com o lago General Carrera e suas águas turquesa, além das Capelas de Mármore, cujos desenham impressionam e as paredes criam contrastes com a cor das águas. “Praticamente contornamos o lago, e as sensações eram muitas. Pela paisagem, pelo risco, e pelo azul impressionante da água”, descreve Tatiana, sobre um dos momentos mais marcantes da viagem. A todo o momento, os motociclistas se deparavam com outros viajantes, de várias partes do mundo, evidenciando a importância e o interesse por aquela região. Mas a receptividade do povo local marcou ponto. “Em todo o trajeto fomos muito bem tratados. Todos muito educados, prestativos. Nos impressionou”, destaca Luiz Ernani. Para aproximá-los um pouco de casa, houve ainda a visita do casal de amigos são-mateuenses Cleverson Bassetto e Eliana Kuczera, que os encontrou em Santiago. Alguns dos viajantes já haviam percorrido outro trajeto bastante procurado na América do Sul — Ushuaia. E agora já pensam em planejar uma aventura pela Europa, para o próximo ano. Todos os percursos, frisam eles, são muito bem planejados para que a viagem se desenvolva tranquila. No entanto, um consenso prevalece, considerando as até dez horas seguidas sobre duas rodas em alguns momentos: “Tem que gostar muito de moto”. Que eles gostam, não há dúvida. monte aconcáguab IMG_5572 futaleufu los caracoles vulcao vila rica lago general mina clavero região de cordoba

Comentários