Tentativa de ocupação ao Colégio Estadual São Mateus é contida por estudantes contrários

21 de outubro de 2016

Acordo entre os dois lados decidiu pela não ocupação e movimentos falam em buscar nova estratégia de manifestação contra a PEC 241 e a reforma no Ensino Médio

 

img-20161021-wa0013Foto enviada por alunos

 

O conflito de ideias entre estudantes a respeito da ocupação de escolas gerou um momento de tensão na noite de ontem, quinta-feira (20), depois que o movimento favorável à medida tentou ocupar o Colégio Estadual São Mateus, o maior do município, e foi impedido por uma maioria contrária.

No momento em que o grupo chegou à instituição, por volta das 21h30, os alunos que estavam em aula se concentraram em frente ao Colégio impedindo a entrada. A Polícia Militar foi acionada para acompanhar a situação e acalmar os ânimos, retirando-se depois que a situação foi controlada e o grupo recuou.

Mais tarde, no entanto, alguns integrantes do movimento que estudam no Colégio teriam ocupado uma sala e se recusado a sair. A PM então foi chamada novamente, e após diálogo eles concordaram em desocupar o local. Não foram registradas agressões ou algo do gênero em nenhuma das ocasiões.

Segundo o Grêmio Estudantil do Colégio, a atitude foi contra um acordo tomado mais cedo entre o movimento favorável e os estudantes contrários à ocupação, que haviam marcado uma reunião para esta sexta (21). O acordado seria apresentar os resultados de uma consulta realizada com alunos e pais e expor as ideias de ambos os lados, uma vez que o movimento queria uma assembleia onde pudesse apresentar seu ponto de vista.

 

Acordo

A reunião aconteceu esta manhã, envolvendo também Direção, Conselho Escolar e Associação de Pais, Mestres e Funcionários (APMF), com acompanhamento da Promotoria de Justiça, para resolver as divergências. No encontro, firmou-se o compromisso dos líderes do movimento em não realizar uma ocupação, e também foi combinado um encontro aberto na segunda-feira (24), no Chimarródromo, em horário a definir, para debate e também visando uma estratégia de alcançar aqueles que têm o poder de voto perante as medidas alvo das polêmicas. “A maior manifestação é alcançar aquele que vai votar. Havendo uma linha de diálogo, que ocorra da forma mais racional e coerente”, comenta o representante do Grêmio Estudantil, Alexandre Douvan.

Os alunos contrários à ocupação no Colégio São Mateus, representados pelos estudantes Mirella Przyvitowski, Daniel Brito, Francini Ferraz e Silvestre Neto, afirmam que também não concordam com PEC 241, que congela investimentos atingindo áreas como educação e saúde, e a reforma do Ensino Médio, mas não querem deixar de estudar. “Não é preciso ocupar o colégio para mostrar a nossa força. Precisamos unir forças. Podemos nos manifestar, mas não há como lutar pela educação parando de estudar”, declaram.

O movimento de ocupação no município não quis comentar o episódio ocorrido na noite de ontem, mas confirmou que optou não realizar nenhuma ocupação, após a reunião de hoje. “Decidimos unir forças entre os dois movimentos e repensar uma estratégica de como fazer outra manifestação pacífica e que agrade a todos”, declara o representante Gustavo Domingues.

A consulta promovida com pais e alunos deve ser concluída hoje, mas a maioria já indica ser contrária à medida de ocupação. A direção do Colégio Estadual São Mateus e o Grêmio Estudantil afirmam serem neutros na situação, mas apoiando a decisão que prevalecer pela maioria, mediando as questões.

 

Foto enviada por alunos/Foto Colégio São Mateus

Comentários