Novas determinações do governo estadual impactam início do ano letivo

06 de fevereiro de 2015

Governo instruiu redistribuição de aulas e fechou várias turmas, resultando na provável dispensa de muitos profissionais temporários e incertezas no retorno das aulas

DSC_0972

Os profissionais da educação estadual estão conturbados pelas recentes determinações do governo do Paraná, que vão impactar o início do ano letivo, previsto para começar na próxima segunda-feira, dia 9 de fevereiro. Enfrentando complicada crise financeira, o governo determinou a redistribuição de aulas que já haviam sido organizadas entre os professores efetivos, e o fechamento de diversas turmas, além da demissão de profissionais temporários.

Em São Mateus do Sul, segundo o Núcleo Regional de Educação (NRE), a reorganização culminou no fechamento de diversas turmas que atuavam no contraturno, ou seja, turmas de reforço escolar, atividades complementares e projetos como dança e música, além de ameaçar as aulas de espanhol, que acabaram mantidas. Ainda, serão reduzidas as turmas de supletivo, do Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos (Ceebja). No horário regular, foram fechadas duas turmas matutinas do Ensino Médio do Colégio Estadual Professor Paulo Stencel, e duas turmas do Colégio Estadual Duque de Caxias, que foram agrupadas. As demandas de coordenação de cursos técnicos e estágios também foram atingidas.

Com os professores efetivos dessas turmas passando a integrar o ensino regular, na nova distribuição que está sendo feita, poucas aulas ficarão disponíveis para os professores temporários oriundos do Processo Seletivo Simplificado (PSS), diminuindo o quadro deste tipo de profissional. “Estamos nos adaptando a essas determinações dentro do que é possível fazer. Deve diminuir muito a quantidade de professores PSS”, revela a representante local do NRE, Bernadete Wolochen.

Segundo Bernadete, outra significativa dispensa de profissionais que já começou a ser realizada na cidade é em relação aos funcionários — também PSS — da administração e da limpeza. O governo do Paraná enviou, na sexta-feira (30), notificação às direções das escolas informando que 30% dos funcionários PSS seriam dispensados a partir daquela data.

Na segunda-feira (2), a APP Sindicato, que representa os profissionais da educação no Estado, divulgou uma nota de repúdio às medidas adotadas pelo governo estadual, incluindo a falta de pagamentos às escolas, e está mobilizando os profissionais para se manifestarem em desfavor das ações. “Os mais atingidos em todo esse processo serão os estudantes, crianças, adolescentes, jovens e adultos desse Estado. Os estudantes, no dia 9 de fevereiro, deveriam ser recebidos na escola com toda a estrutura necessária. Infelizmente encontrarão a escola sem merenda e sem outros itens básicos por falta de dinheiro. Encontrarão professores e funcionários desmotivados. A indignação é generalizada no Estado”, declarou o Sindicato, em parte da nota.

Mobilização

Os professores e demais profissionais da educação em São Mateus do Sul marcaram uma mobilização para a tarde de quarta-feira, 4 de fevereiro, no centro da cidade. Além das questões já citadas, os profissionais se queixam do não pagamento de um terço de férias devido e também da dívida da rescisão dos contratos dos professores temporários (PSS). Na próxima edição, mais detalhes sobre a mobilização local e situação das escolas estaduais comprometidas pelas novas medidas.

Foto: jornal ACONTECEU

Comentários