Com polo em São Mateus, UAB está ameaçada por cortes no orçamento

04 de setembro de 2015

Mobilização pretende sensibilizar o governo federal pela manutenção do programa, que opera no limite do orçamento

 

MANIFESTO-UAB-SEM-LOGO

 

Desde a semana passada, um manifesto em prol da Universidade Aberta do Brasil (UAB) está mobilizando educadores, estudantes, coordenadores regionais e outros profissionais para garantir a manutenção do orçamento do programa, que atende 170 mil estudantes em cerca de 700 municípios com cursos de nível superior a distância. Segundo o Fórum Nacional de Coordenadores UAB, os cortes feitos pelo governo federal este ano estão impedindo a operabilidade mínima do sistema, que é considerado fundamental para as localidades mais distantes dos grandes centros urbanos.

A UAB surgiu em 2006 como um sistema integrado por universidades públicas com a finalidade de expandir e interiorizar a oferta de cursos e programas de educação superior no País, viabilizados por recursos financeiros do governo federal, por meio do uso da metodologia da educação a distância.

A mobilização começou no dia 24 de agosto e se concentra na divulgação da situação e recolhimento de pelo menos 500 mil assinaturas por meio de petição pública, para chamar a atenção do governo federal. No manifesto, o Fórum que coordena a campanha defende que a educação a distância não pode parar. “A modalidade, que se encontra em um momento de franca expansão, não possui áreas passíveis de sofrerem cortes orçamentários sem prejuízo para a viabilidade dessa forma de ensino. A educação a distância acompanha o crescimento tecnológico do mundo atual e oportuniza acesso à educação de forma singular. Paralisar este setor resultaria em um prejuízo incalculável para a sociedade”.

São Mateus do Sul possui um polo de apoio presencial da UAB desde 2009, que se configura como uma das poucas opções de ensino superior na cidade. Atualmente possui os cursos de Licenciatura em Matemática e em Geografia e também especialização em Gestão Educacional, todos pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Recentemente, ainda teve turmas de especialização em Gestão Pública, Gestão em Saúde e Mídias na Educação, pela Universidade Estadual do Centro Oeste (Unicentro).

O abaixo-assinado pode ser acessado no site www.peticaopublica.com.br.

Comentários