Uma nova chance

26 de fevereiro de 2016

A cada minuto morre no mundo uma mulher em virtude de complicações da gravidez e do parto. Ao fim de um ano, entre todas essas mortes — quase 530 mil —, a maioria ocorre em países em desenvolvimento, e para cada mulher que morre outras trinta sofrem sequelas ou problemas crônicos de saúde, segundo a Organização Mundial de Saúde.

Dezenove horas, fevereiro de 2008. Estava assumindo um plantão em um grande hospital de Maringá. Logo quando chego, avisam-me de uma paciente chamada Maria que estava chocada na UTI. Saí às pressas para vê-la. O médico da UTI relatou que ela teve uma complicação no parto e a encaminharam para UTI, mas que a hemorragia não parava.

Descobri que era seu quarto filho e que ela era casada. Ao exame: pálida, pressão 40×20, pulso 140 e arritmia cardíaca pelo choque hemorrágico.

Todos os esforços realizados na UTI não a tiraram do choque hemorrágico. O médico da UTI me disse: “Não poso fazer mais nada, ela está indo a óbito”.

Então decidimos retirar seu útero e assim parar com o foco da hemorragia. Pensei que ia perder aquela paciente durante a cirurgia, pois sua condição era muito grave.

Mas ela aguentou firme, era muito forte em todos os sentidos. Ficou sete dias na UTI e depois foi para seu quarto, e finalmente, para sua casa.

No dia que dei sua alta, seu esposo me apresentou seus quatro filhos e, sorrindo, agradeceu a Deus por tudo. Ele me disse: “Doutora, nunca fui um bom marido. Ela passou muita tristeza nesta gestação e tive muito medo de perdê-la. Mas Deus me deu uma nova chance de criar meus filhos ao lado dessa mulher especial, que é minha esposa”.

Fiquei pensando como convivemos no dia a dia com pessoas que muitas vezes não damos o devido valor.

Tem pessoas que eu sempre confundo com anjos, pois me entendem, arrancam-me sorrisos e lágrimas. Esse foi mais um dia de vitória e um grande milagre.

Maria estava viva em todos os sentidos e agora estava feliz com seu esposo e filhos. Todos tiveram mais uma chance. Maria me disse, depois, que daria quantas chances fossem necessárias para o seu esposo, pois amava muito sua família.

Também agradeci a Deus por ter preservado a vida de Maria.

 

Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. 2 Coríntios 5:17

Cristina Veloso Andreacci
CRM 12570 Titulo de especialista em Ginecologia/Obstetrícia Titulo de especialista em Ultrassom Titulo de especialista em Medicina Fetal Competência pela Fetal Medicine Foundation de Londres Cemmefe.com.br Apoio TV Novo tempo Canal 10 local e Sky 14
cemeffe@gmail.com | http://cemmefe.com.br

Comentários