Palácio de Cultura e Ciência

05 de junho de 2015

Um dos assuntos abordados pela Escola de Líderes foi o Palácio de Cultura e Ciência, que foi construído entre 1952 e 1955. De acordo com os planos soviéticos, foi desenhado pelo arquiteto soviético Lew Rudniew, que, apesar de fazer um projeto tipicamente no estilo soviético, inseriu alguns elementos caraterísticos para a arquitetura polonesa, como ornamentos nos sótãos copiados dos Sukiennice de Cracóvia e do Palácio de Siczynkra. Foram usados exclusivamente 3,5 mil operários da ex-União Soviética.

A torre foi uma oferta ao povo da Polônia e foi até 1957 o edifício mais alto da Europa: 42 andares e 230 metros de altura. Sua altura, relata-se, era para mostras à superioridade soviética, e Stalin pediu que fosse construído nessas condições para que fosse  visto dos quatro cantos.

Originalmente denominado Palácio da Cultura e Ciência de Joseph Stalin, teve, por motivos óbvios, retirado o nome do ditador após a queda do comunismo.

É um símbolo polêmico de Varsóvia que não agrada a todos (alguns querem demoli-lo). Foi palco, em 1967, do primeiro grande concerto de uma banda ocidental —Rolling Stones —, para lá da cortina de ferro.

Atualmente o edifício abriga um centro de exibições, escritórios, uma sala de conferências para 3 mil pessoas, um cinema,  três teatros, museus, livrarias e até piscina.

O Palácio representa o estilo do realismo socialista, um presente da União Soviética para o povo polonês. A construção é muito imponente, do tipo que transmite de forma muito clara as ideias de poder e força, e é o principal marco do realismo socialista em Varsóvia.

Fonte: Ewa Potocka, historiadora e coordenadora da Escola de Líderes

3837

Everaldo Karpinski Kotrich

eve-ko@hotmail.com |

Comentários