Os poloneses e o comércio

05 de setembro de 2014

Na edição passada, vimos algumas outras etnias que migraram para o Brasil e estabeleceram-se em São Mateus do Sul, posteriormente desenvolvendo-se no comércio. Hoje vamos falar dos estabelecimentos daqueles que mais deixaram suas marcas em nossa terra: os poloneses.

Um deles foi o senhor João Toporowicz, que chegou da Polônia aos 16 anos de idade. A princípio dedicou-se ao cultivo da erva-mate, mas em 1900 se casou e passou a residir na Colônia Cachoeira, onde se tornou proprietário de uma grande casa comercial fundada pelo seu sogro, João Augustyniak, onde vendia os tradicionais secos e molhados, peças de fazenda, armarinhos etc.

Outro imigrante polonês foi Valentim Samsonowski, que tocaria um negócio junto com o filho Zeno, na área onde atualmente se encontra o mercado Pague Menos matriz. Além da casa comercial, a família possuía uma bomba de combustíveis.

Além desses, tivemos o senhor Carlos Miecznikowski, dono do armazém que mais tarde viria a ser o estabelecimento da senhora Elza Abrão, cujo esposo ficou conhecido como “Turco”.

532sansonowski

Casa comercial de Valentim Samsonowski. À esquerda da foto, observa-se uma bomba de gasolina

532toporowicz

Casa comercial de João Toporowicz, na Colônia Cachoeira

532toporowicz2

Toporowicz com seus três filhos e dois funcionários, em frente a um barbaquá, na Fazenda do Turvo

532samsonowski

Estabelecimento de Carlos Miecznikowski, que mais tarde viria a ser a loja do “Turco”. Acervo: Elza Abrão

José Nelson Chaves de Souza

jnelson.souza@gmail.com |

Comentários