O que é morrer com dignidade

19 de setembro de 2014

Como médica, já vi muitas pessoas morrerem, pois já fiz estágio em UTI e também trabalhei em pronto-socorro por um curto período de tempo.

Meu irmão Nuna ficou 38 dias na UTI de um hospital que eu trabalhava e todos os dias estava com ele. Foi um período bem complicado, só quem já teve alguém da família numa UTI sabe do que eu estou falando.

Infelizmente meu irmão faleceu, e no dia de seu falecimento passou um filme em minha cabeça de nossa infância.

Sei que um dia o Senhor vai me explicar muitas coisas e tenho muitas perguntas.

Na UTI, vi muitas famílias perderem filhos de um dia para o outro, vi pessoas ficarem tetraplégicas em acidentes, vi doenças ainda incuráveis, mas o que mais me doía era ver como as famílias sofriam. Na verdade, nunca estaremos preparados para a morte, pois não fomos feitos para morrer e sim para ter vida em abundância.

Por que vivemos uma vida como se ficássemos aqui para sempre?

Para que estamos nos preparando?

Uma frase que eu guardei para o resto da minha vida foi uma das últimas palavras de meu amado irmão: Deus é amor.

Temos que parar de guardar ressentimentos por causa das injustiças que sofremos.

Não podemos controlar o que acontece conosco o tempo todo, mas podemos controlar o que acontece dentro de nós.

Sim, meu amado irmão, Deus é amor e seu amor é incondicional por nós.

Depois de alguns anos, minha cunhada, esposa desse meu irmão, foi derrotada por um câncer. Tinha  41 anos e deixou meus sobrinhos, Felipe e Lucas, para que eu pudesse ajudar a cuidar e amar. Uma das frases mais doloridas que eu escutei foi de meu sobrinho Lucas, de 7 anos, no enterro de minha cunhada no início desse ano. Ele olhou para mim e disse: “Tia Cris quero, minha mãe. Por favor, faça alguma coisa”.

Expliquei que um dia ele iria abraçar sua mamãe e que ela estava dormindo no Senhor, esperando a grande volta de Jesus. Ele me abraçou e choramos juntos. Nas férias, eles irão sempre estar comigo, hoje eles estão com os avós maternos no norte do Paraná.

Senhor, hoje é muito difícil entendermos tudo. Lembro-me de meu pai, minha mãe e meus irmãos (Margarete e Nuna), que já se foram…Tenho certeza que um dia vou entender tudo. Hoje, eu só tenho que confiar. E eu confio pois sei que Deus é amor.

Cristina Veloso Andreacci
CRM 12570 Titulo de especialista em Ginecologia/Obstetrícia Titulo de especialista em Ultrassom Titulo de especialista em Medicina Fetal Competência pela Fetal Medicine Foundation de Londres Cemmefe.com.br Apoio TV Novo tempo Canal 10 local e Sky 14
cemeffe@gmail.com | http://cemmefe.com.br

Comentários