O diagnóstico, uma sentença de vida

17 de abril de 2015

O câncer de mama fez mais de 57 mil novos casos no Brasil no ano de 2014, e constitui 25% dos tipos de câncer detectados em mulheres e a maior causa de mortes de mulheres em todo o mundo, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

A mulher diagnosticada com câncer de mama, se tratado oportunamente, possui 80% de chances de sobrevida, e hoje eu consigo descrever a reação de cada uma dessas mulheres ao receber o diagnóstico.

Ninguém imagina passar por alguma doença na vida. Às vezes acontece próximo, com um vizinho, ou com alguém da família de um amigo. Quando acontece com a gente chega a ser difícil acreditar.

Entrar no consultório médico para saber o resultado dos exames foi o momento mais difícil. Senti uma mistura de medo e esperança. O diagnóstico positivo me fez perder o raciocínio. Lembro de não recordar o conteúdo da consulta e, mais tarde, questionar a minha irmã sobre o que o médico havia dito.

O choque é muito grande. Primeiro vem a dúvida, a incerteza da vida, do amanhã. Me senti sendo carimbada por um prazo de validade, ou como dizem alguns, com a sentença de morte assinada. Depois vem a angústia por saber que o tratamento é dolorido e as reações são inumeramente desagradáveis. Além desses, muitos outros pensamentos desequilibrados, como revolta, sentimento de fragilidade e vontade de isolamento, apenas fizeram aumentar um sofrimento desnecessário.

Aí então caiu a ficha. Não me deixarei escravizar por pensamentos que possam agravar a minha infelicidade. Se preciso passar por tudo isso, porque agir dessa maneira? Por que fazer sofrer os meus familiares e amigos se tudo isso pode ser mais fácil?

A ideia de sobreviver não mais saiu da minha cabeça. Além de um diagnóstico precoce, não se deixar abater e não permitir pensamentos ruins faz parte do tratamento e aumenta muito a chance de sobrevida e de qualidade de vida.

Ter pensamentos positivos e atitudes de alegria me fazem combater com firmeza o tratamento e suas reações. Sem querer, passei a dar mais importância para os pequenos detalhes da vida, como o céu e suas cores incríveis ou um simples jantar com a família. Conquistei uma visão mais completa da existência e aprendi a observar o quão perfeita é a natureza, passando a ter mais disposição para viver cada momento, cada segundo, como se fosse o último.

Francini Franco do Prado

francini.adv@hotmail.com |

Comentários