O câncer e eu

03 de abril de 2015

Hoje, 05 de março, quinta-feira, 14 horas. Estou sentada na poltrona número 4 do setor de oncologia do Hospital São Vicente, em Curitiba, Paraná. Ao meu redor outros 11 pacientes, homens e mulheres, de diferentes lugares, histórias, idades, classes sociais e religião, também lutam pela vida.

Estou no meu sétimo ciclo de quimioterapia e ainda sinto o nervosismo da primeira vez. Olho para os lados e vejo na expressão dos meus colegas que eu não sou a única a fazer caretas com as picadas das agulhas. É com muita conversa e troca de experiências que passo as mais de três horas em que os medicamentos entram em minhas veias.

Minha batalha contra o câncer começou em setembro de 2014, com o diagnóstico tão temido. Um pequeno nódulo na mama, que de início parecia tão insignificante, me fez perder o chão.

As palavras cirurgia, quimioterapia, radioterapia, acrescidas a uma lista enorme de reações, me fizeram repensar a rotina, indo muito além da cansativa bateria de exames, alcançando a busca por uma melhor qualidade de vida.
Quarenta dias antes de iniciar os ciclos quimioterápicos, eu havia feito a cirurgia para retirada do nódulo, que já estava com quase três centímetros de diâmetro. Como estava iniciando a fase de metástase (quando as células doentes se espalham para outras regiões do corpo), os médicos optaram pela cirurgia imediata.

Foram vários dias de cama, 15 dias com dreno, 30 dias sem erguer o braço. Nada de esforço, levantar peso ou dirigir.
Apesar das sequelas estéticas, qualquer marca ou cicatriz já não possui a importância quando a questão principal é estar bem, estar viva.

A partir de hoje, a convite dos queridos amigos do jornal, passarei a dividir com vocês, leitores, um pouquinho da minha experiência, contando sobre o câncer, o tratamento, a rotina de exames e cuidados com alimentação, entre outros detalhes que fazem parte, não só da minha, mas também da vida de milhares de pacientes que estão na briga contra essa doença tão preocupante, que nos faz “perder os cabelos”.

Francini Franco do Prado

francini.adv@hotmail.com |

Comentários