Secos e molhados

03 de julho de 2014

Republicação de antiga coluna semanal publicada no ACONTECEU até 2011

Inaugurando nossa coluna Naquele Tempo…, nesta edição vamos lançar nosso olhar para alguns estabelecimentos do passado de São Mateus do Sul. As chamadas “vendas”, ou lojas de “secos & molhados” ofereciam de tudo: desde gêneros alimentícios até ferragens em geral. Eram os supermercados de hoje.

A Loja Toppel, na esquina da avenida Ozy Mendonça de Lima com a rua 21 de Setembro, já foi a venda do Sr. Manoel Furtado Neves, que começou o empreendimento em 1918 e o vendeu em 1946 para Theodoro Toppel. A partir daí, passou a levar o nome de Casa Brasil. Em 1960 passou a se chamar Irmãos Toppel e Cia Ltda, comandada por Renato, Fernando e Ronaldo Toppel. O estabelecimento continua na família até hoje, mas voltou-se principalmente ao comércio de roupas.

Na rua Evaldo Gaensly, que já foi a principal da cidade, havia a padaria do Sr. José Blaczik, e mais tarde de Silvestre Gelinski. O local funcionou depois como a selaria e barbearia do senhor Brasílio Jacyszen (cujo filho, Olando, continua exercendo a profissão de barbeiro, aos 75 anos de idade). Por fim, a casa deu lugar à loja Mário Ehlke. Atualmente encontra-se naquela área o mercado Brongiel.

523nostalgia2

Imagem da Casa Brasil, na rua 21 de Setembro, em 1931.

523nostalgia1

523nostalgia

Estabelecimentos na rua Evaldo Gaensly, década de 40. Foto do fotógrafo Stanislaw Budzinski, que faz parte do acervo de seu filho, João Budzinski. A menina foi identificada como Isabel Jacyszen, irmã de Olando.

Casa Brasil.

José Nelson Chaves de Souza

jnelson.souza@gmail.com |

Comentários