Merkel (7) X Dilma (1)

11 de julho de 2014

O desastroso resultado de nossa seleção canarinho diante da Alemanha nesta terça feira poderia justificar o título da matéria acima?

Para aqueles que queriam politizar a Copa, e que o sucesso ou fracasso de nossos jogadores influiria no voto dos brasileiros, a resposta é SIM.

Para todos os demais, que acham que a Copa não tem nada a ver com política, e que os eleitores votam e escolhem por outros motivos, a resposta é NÃO.

Independentemente dessa questão, é preciso analisar com critério e com o necessário discernimento as causas dessa catástrofe no esporte preferido do povo brasileiro, onde sempre nos julgamos os melhores e invencíveis.

Primeiramente a nossa imprensa, que é costumeira em endeusar nossos jogadores erigindo-os a nível de ídolos nacionais, paparicando exageradamente e lhes dando a importância que verdadeiramente não possuem.

Jogadores de futebol são simplesmente humanos como todos nós, e o sucesso em suas carreiras não os tornam pessoas especiais ou exemplos a serem seguidos.

Nessa copa, vimos que a linha divisória entre o sucesso e o fracasso é bastante tênue.  O herói de um dia, se torna o vilão do dia seguinte.

O mundo inteiro ficou estarrecido e surpreso com o dilatado e inesperado resultado, e as manchetes dos principais órgãos de imprensa internacional variavam entre humilhação e vergonha, principalmente.

A verdade é que foi um verdadeiro massacre que ficará para a história e pesará negativamente, principalmente à CBF e seus dirigentes e à cúpula da seleção, incluindo a comissão técnica comandada pelo indefectível Felipão.

A corrupção, que assola o mundo político, está também presente na inatingível Confederação Brasileira de Futebol, e também na Fifa, conforme se viu nas matérias sobre venda de ingressos e dos João Havelange e Ricardo Teixeira da vida.

Mas como tudo na vida tem dois lados, é preciso ver o lado positivo da fragorosa derrota.

A Alemanha, como país e como povo, é um exemplo para todos. Saindo destruída de duas guerras, é uma das maiores economias mundiais e seus produtos e organização são reconhecidos e respeitados em todo canto do planeta.

Será que o seu sucesso como potência mundial é decorrente de suas riquezas naturais?  Nada disso, a sua grande vantagem é o seu povo, disciplinado e educado.  Trabalhador e eficiente, aliado a um sistema de governo democrático responsável e competente.

A miscigenação que ocorreu há poucas décadas melhorou a qualidade do “time”, com a participação de poloneses, turcos, negros etc.

Por aqueles lados, não há exagero em nada.  Basta constatar o visual de seus atletas com os que serviram a Seleção Brasileira.  São pessoas normais fazendo o seu trabalho.  E muito bem!

Os mais experientes sabem que em um jogo de futebol, tudo pode ocorrer, pois tratam-se de apenas 90 minutos e o comportamento de cada equipe, num período tão curto, pode variar entre ser terrível ou um primor.

A realidade é que somos capazes de grandes façanhas, mas também sujeitos a erros monumentais, e no futebol, como diz o técnico Murici, “a bola pune”!

Argos Fayad

argosadv@gmail.com |

Comentários