Hora de aprender

05 de dezembro de 2014

Me recordo de um professor que tive quando estava no segundo grau, lá nos idos anos 80, no extinto Colégio Barddal em Curitiba, ele dava aula de química inorgânica. O professor Eron, que era o campeão das piadas, ou seja aquele que mais piadas contava em sala de aula, vez por outra tratava de assuntos sérios (fora do assunto das aulas…) e numa ocasião que me ficou marcada na memória, ele falou algo que havia ocorrido com um ex-aluno e que o tinha marcado muito a ponto de tomar uma parte da aula e que prendeu atenção de todos. O assunto não vem ao caso, mas a ideia que hoje copio sim. Depois de tantos anos dando aula, comprovo o que ele falou que o melhor da profissão de ser professor é com o tempo passar a aprender com os alunos. É, aprender com os alunos, com aqueles mais rebeldes que se deram bem, aqueles excelentes que tiravam somente 9 e 10 nas provas e que se deram melhor ainda, mas também com aqueles que não se deram tão bem assim e depositava-se uma expectativa enorme…

Hoje eles, esses alunos nem imaginam que seguindo seus caminhos, vão ensinando a gente (professores), e muito. Ensinam que por mais que as vezes parecesse perda de tempo algumas aulas que demos, eles aprenderam. Aprendemos que aquelas horas dedicadas a mais, montando aulas, aprendendo a mexer no computador, é aprendendo, pois eles nasceram num tempo que a tecnologia toda parece que vem de berço, mas para nós que a tecnologia era uma simples calculadora científica, que pouco fazia, não era tão fácil assim aprender, para poder ensinar… mas a maioria de nós conseguiu.

Outro dia me perguntaram se eu não achava estranho alguns alunos (serão eternos alunos, pois continuam me chamando de professor, mesmo passados mais de dez anos que os tive em sala de aula), ganharem mais do que os professores, com aquela ideia de como pode um professor que sabe mais do que o aluno, ensiná-lo e ele ganhar mais. Não é engraçado é o normal, pois a sina do professor é essa, dar o maior suporte possível para que eles possam voar, alçar voos enormes, conquistarem o mundo, se não for assim alguma coisa está errada, não com o aluno, mas com o professor. Sabe aquela história das propagandas de que o professor é a base de tudo? É verdade. De que cada escola aberta é um presídio a menos? É verdade.

Mas, o que eu quero falar aqui é o quanto eu aprendo ou tenho aprendido ultimamente com os alunos, com suas atividades, suas atitudes… sejam profissionais ou sejam pessoais. Ah, não se enganem alunos, pois continuamos, mesmo que de longe prestando atenção em vocês e torcendo por vocês, como se fossem nossos filhos, podemos não intervir como fazíamos antes, mas que dá vontade, isso dá.

Cada vez que vejo no facebook, o Juliano e o Adriano escalando em seus trabalhos, faço uma oração para que tenham mais sucesso e sempre estejam seguros ou então o que dizer da minha querida guerreira Fran, que resolveu imitar o meu penteado e com a maior calma do mundo me diz, que o complicado é aguentar o sobrinho colando tatuagem na sua cabeça…

Obrigado professor Eron, por ter me preparado pra isso, mas não imaginava que seria assim. E obrigado aos alunos que depois de tanto tempo começam a me ensinar tudo novamente. Obrigado.

Redação

jornalaconteceu@hotmail.com |

Comentários