Gratidão na dor

22 de abril de 2016

Lembro de meu amado irmão e seus 38 longos dias naquela UTI da Santa Casa de Maringá. Infelizmente, após lutar muito contra o mosquito da malária, o mosquito venceu.

Depois da morte de meu irmão, fiquei profundamente triste. Acho que de várias formas aprendi muitas coisas e como Deus preparou tudo para que eu pudesse estar ao seu lado.

E fui fazendo uma lista de todas as coisas boas que ocorreram mesmo passando por aquela dor infinita de despedida de meu irmão:

 

1- Eu estava morando em Maringá e pude ficar perto de meu irmão.

2- Estava na UTI do hospital que eu  trabalhava.

3- Havia uns amigos que davam plantões na UTI e que me informavam sobre o meu irmão a qualquer momento.

4- Podia estar sempre ao seu lado.

5- Deus lhe deu dois dias de melhora para que pudéssemos conversar sobre pescaria e dar umas risadas.

Quem já perdeu um irmão sabe do que eu estou falando. Tive o privilégio de tê-lo como irmão e na nossa última conversa ele me deixou uma lição  com suas amoráveis palavras, mesmo sabendo de sua situação. Ele olhou para mim e disse: “Deus é amor”.

Obrigada, Senhor, por ter tido o privilégio de conviver com  um  irmão tão amoroso comigo e com meus filhos. Obrigada por ter estado ao seu lado em seus últimos momentos.

 

Muitos são os planos no coração do homem, mas o que prevalece é o propósito do Senhor … (Provérbios 19:21).

Cristina Veloso Andreacci
CRM 12570 Titulo de especialista em Ginecologia/Obstetrícia Titulo de especialista em Ultrassom Titulo de especialista em Medicina Fetal Competência pela Fetal Medicine Foundation de Londres Cemmefe.com.br Apoio TV Novo tempo Canal 10 local e Sky 14
cemeffe@gmail.com | http://cemmefe.com.br

Comentários