Ele vai ficar sem XSPB

29 de julho de 2016

Se você tem uns quatorze, quinze anos ou mais você provavelmente já assistiu algum filme ou vídeo gravado em fita cassete. Eu já, e foram vááários!

Esta semana eu ouvi uma notícia bem interessante, que me fez lembrar da parte da minha infância em que eu adorava puxar aquelas fitinhas pretas das fitas cassete, mas que meus pais não achavam tão divertida assim.

Acontece que a última empresa que fabricava os aparelhos VHS, a japonesa Funai Electric, não vai mais produzi-los a partir deste mês. A decisão foi tomada com a justificativa de que as vendas despencaram. A empresa já chegou a vender 15 milhões de aparelhos de videocassete VHS por ano, mas, em 2015, *apenas* 750 mil foram para casas de compradores.

Confira um trecho da notícia que achei sobre isso:

“Nos últimos anos a companhia vendia a maioria de seus VHS na América do Norte, alguns com a marca Sanyo. A demanda é proveniente principalmente de consumidores que têm grandes coleções de fitas de vídeo que só podem ser reproduzidas em videocassetes.

Uma pesquisa realizada há alguns anos pela Gallup revelava que 58% dos americanos ainda tinham um videocassete em casa. Estes aparelhos se tornaram muito populares nas décadas de 1970 e 1980, mas foram substituídos progressivamente pelos DVDs e serviços de streaming*. Após a decisão da Panasonic há alguns anos de deixar de fabricar estes aparelhos VHS, a Funai era a última empresa que os produzia. ”

Fonte:<www.veja.com.br>

Até é uma pena porque, embora eu ainda tenha um aparelho VHS em casa, se ele estragar vai ser muito difícil meu irmão assistir os Xuxa Só Para Baixinhos 1 ao 6 que são todos em fita hahahaha. Ele com certeza não iria se divertir tanto quanto eu, que pegava meu guarda-chuva e ficava dançando a “Chuva de morangos”.

Mas isso é natural da evolução, né? Já pensou se a gente ainda tivesse que ouvir música naquelas fitinhas que tinha que escutar seis, depois virava e escutava outras seis? Eu ia enlouquecer! Hoje eu acho uma música nova, escuto ela o dia todo, mas no dia seguinte já preciso de uma diferente. E o que as pessoas faziam sem opção de aleatório, de repetir, sem faixa de música ou equalizador? E os carros com toca-fitas auto reverse? Wooow aquilo sim era tecnologia. Ou então, se a gente ainda precisasse de uma fita do tamanho de um livro da escola para assistir um filme só, sendo que hoje nem precisa do aparelho ou mesmo do DVD?

É, as coisas estão mudando…

*Streaming: uma tecnologia que transmite informações multimídia por transferência de dados — um exemplo é o YouTube.

Beijos, Anna.

Anna Júlia Reginato
Tem 15 anos e meio e cursa o 2º ano do Ensino Médio, no Colégio Maria Augusta, de São Mateus do Sul.
anna@jornalaconteceu.com.br |

Comentários