Como atrair indústrias

01 de agosto de 2014

Esse um assunto recorrente.

Cada vez que um município vizinho consegue obter um grande investimento, que gere empregos e aumente a renda, ficamos exasperados e em busca de uma causa do porque ficamos, mais uma vez, de fora.

A população cobra e os poderes públicos não dão resposta satisfatória ao assunto.

O fato é que assistimos passivamente o curso da história e ficamos alheios ao desenvolvimento que podíamos ter se fossemos mais capazes e espertos.

Uma boa análise precisa ser feita para não ficarmos chovendo no molhado ou colocando culpa em um ou em outro, sem saber qual o caminho que devemos percorrer.

A reportagem da semana sobre economia em nosso Estado, publicada na Gazeta de segunda feira, 28, revelou que “montadoras, cimenteiras e indústria cerâmica planejam investir no Paraná”.

Inúmeras são as cidades citadas na reportagem como capazes de atrair esses investimento, e novamente, estamos de fora.

O que precisa ser feito? Essa a pergunta não quer calar.

A criação de uma Secretaria de Indústria e Comércio, sem a prática de uma política inteligente, enérgica e agressiva, pouco ou nada significa. É preciso estar atento e bem informado, e ao que parece, nada disso acontece atualmente.

Os investimentos previstos para esse ano (2014) são de R$ 30 bilhões!  E como já estamos quase em agosto, e nada foi realizado nesse sentido, evidentemente há um relevante atraso.

O governo do Estado, que é quem recebe os primeiros contatos, é do PSDB (Richa), e a política sempre é importante nesses procedimentos, pois primeiro procura-se contemplar os correligionários e os ditos amigos do rei.

No caso da Electrolux, a intenção do governo era instalar a indústria em Rio Negro, mas graças à ação rápida e diligente da prefeita da Lapa, o município conseguiu esse importante investimento.

A nosso ver, o mero oferecimento de uma “área industrial” ou de terreno, igualmente não é um fator decisivo, embora possa ser importante para pequenas e médias indústrias, pois são essas as que necessitam de maiores incentivos e, na maioria das vezes, um simples terreno resolve sua principal necessidade.

Mas aí eu pergunto: se todos os municípios, a princípio, oferecem um terreno para instalação, qual a vantagem que podemos conseguir com isso?

A mim parece claro que essa “oferta”, embora possa ser importante numa segunda fase de negociações, na fase inicial é irrelevante.

A questão que primeiramente temos que responder, é o que faz uma indústria ou um grande investimento ir para determinada região ou município?

Não é preciso ser muito esperto para responder:  A) Proximidade de matéria-prima ou de fornecedores; B) Localização e infraestrutura de transportes e C) Mão de obra.  Uma quarta questão que também pode influenciar são os incentivos fiscais, mas esses são basicamente os concedidos pelo Estado, pois os que o município pode dar, são insignificantes. (continua)

Argos Fayad

argosadv@gmail.com |

Comentários