Como atrair indústrias… continuação

08 de agosto de 2014

Com relação à matéria-prima, nosso município pode oferecer com abundância, notadamente produtos agrícolas, principalmente a erva-mate, que produzimos com muita tradição, quantidade e qualidade.

Criamos também uma tradição com relação a cereais, (soja e milho), o fumo e a própria batata, nos quais há anos nos firmamos como bons produtores.

Indústrias de transformação desses produtos agregariam muito valor a essa bela produção que possuímos e que, atualmente, geram pouca renda, dado que são comercializados também de forma primária.

Outra matéria-prima importante e hoje bastante reduzida, é a madeira, pois já demonstramos nossa vocação florestal. A dificuldade é que essa produção depende de um ciclo demorado, em períodos em torno de dez anos, como é o caso do eucalipto, do pinus e de nossa bracatinga.

Por fim, temos todos os produtos e subprodutos da exploração do xisto, e que há muito, desde a instalação da incubadora tecnológica (1995), vêm se tornando ótimas oportunidades de investimento, como por exemplo  a água de retortagem, utilizada como adubo agrícola.

Muitas empresas, entretanto, não se preocupam com a matéria-prima, pois somente são montadoras de produtos, e, nesse caso, seu interesse é a proximidade dos fornecedores, pois o custo de transporte é muito alto no país, pelo modelo adotado (rodoviário). Nesse caso, a localização privilegiada e os meios de transporte podem contribuir muito na atração de investimentos.

Nossa proximidade com um grande polo produtor de papel e celulose como a Rigesa, a 25 quilômetros daqui, bem como com Ponta Grossa, a 120 quilômetros, e Curitiba, 140 quilômetros, além de outras cidades, em vez de se tornar um ponto negativo, pela competição, podem se tornar cidades parceiras.

As ligações rodoviárias nesse caso são cruciais, daí a importância da pavimentação até Irati, prometida várias vezes pelo atual governo.

Apesar do transporte ferroviário estar hoje em uma posição secundária, estamos a poucos quilômetros de importantes ramais, como o de Três Barras e de Mallet , atualmente desativado.

Outro importante vetor é a existência de energia abundante, seja elétrica, seja térmica, seja a gás ou outra qualquer.  Sem isso, não há local que se desenvolva.

Entretanto, a meu ver, o fator mais importante que pode ser oferecido para atração de investimentos é a mão de obra abundante existente no município. Todos os anos, centenas de jovens são formados nos diversos cursos secundários e técnicos que temos disponíveis na rede de ensino, seja particular ou pública.

Esse imenso contingente de jovens, de ambos os sexos, com boa qualificação, é um fator importantíssimo, pois com apenas mais alguns meses de cursos intensivos específicos, que poderiam ser bancados em conjunto, pelas empresas interessadas e pelo poder público, teríamos uma oferta imensa de trabalhadores, prontos e preparados para o trabalho e com emprego garantido.

Portanto, a oferta de mão de obra, diga-se trabalhadores aptos, pode ser o diferencial necessário, que aliada a outros fatores, podem alavancar nosso desenvolvimento.

Argos Fayad

argosadv@gmail.com |

Comentários