Hipótese de desativação da SIX começa a gerar mobilizações

22 de janeiro de 2016

Notícia de estudos conduzidos na sede da empresa gerou incertezas por parte da população e, receosas, entidades e lideranças não quiseram perder tempo; estatal, por outro lado, nega e não quer conversa

 

DSC_0025Na quarta-feira (20), o assunto foi discutido com o governador Beto Richa, em reunião com lideranças políticas, setor produtivo paranaense e comitiva são-mateuense (fotos: jornal ACONTECEU)

 

Um dos assuntos de maior repercussão neste início de ano para São Mateus do Sul diz respeito à hipótese de desativação da Unidade de Industrialização de Xisto (SIX), ainda permeada por incertezas e conflitos de opiniões, mas que naturalmente gerou apreensão de toda a comunidade. A informação de que a sede da Petrobras conduz estudo técnico em relação à viabilidade da usina, demonstrando considerar sua desativação, veio à tona na semana passada, a partir de quando entidades e lideranças municipais passaram a se mobilizar.

O estudo, revelado pelo vereador Omar Picheth, que afirma ter fontes seguras de dentro da empresa, aconteceria num momento em que a estatal segue uma postura contida, de menos investimentos, reduzindo a atividade exploratória para focar na produção em águas profundas, e aumentando a venda de ativos.

Fala-se em quatro linhas de estudo envolvendo a SIX: melhorar a eficiência; o fechamento total; o fechamento parcial; ou a venda. Seu desempenho econômico seria um revés para a unidade de São Mateus do Sul. A SIX já vem sofrendo há algum tempo com cortes nos investimentos, inclusive no elogiado centro de pesquisas; redução de atividades e de contratos com terceirizadas; e sem notícias sobre a aquisição de novas áreas para a mina. Além disso, o pesado montante em impostos que beneficia o município já revelou redução. “Pelo recente histórico da Petrobras, procura-se acabar com a SIX por inanição. Ou seja, deixar definhando aos poucos até chegar a hora do fechamento”, declara o vereador.

O prefeito de São Mateus do Sul, Clovis Ledur, revela ter conhecimento das mesmas informações fornecidas por Picheth, e que já buscou uma intervenção imediata com grupos de representatividade junto à Petrobras e ao governo, citando o ex-integrante do Conselho Administrativo da Petrobras, Márcio Zimmermann; a senadora Gleisi Hoffmann; e o deputado líder da bancada paranaense na Câmara Federal, João Arruda. “No passado, quiseram desativar a pesquisa na SIX, que sempre foi muito bem vista. Embora tenham diminuído muito os investimentos na área, ela ainda continua. Nós temos muita força política e faremos de tudo para que as coisas continuem”.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Petrobras negou que haja um grupo de estudo considerando a descontinuidade das atividades da SIX. Informou, ainda, que promoverá uma parada geral de manutenção no dia 13 de fevereiro, envolvendo trabalhadores contratados especialmente para a atividade, e que a produção deverá ser retomada em 30 dias.

 

Articulação

Visando buscar mais esclarecimentos e estreitar contatos com a gerência da SIX, a Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de São Mateus do Sul (ACIASMS) promoveu, na sexta-feira (15), uma reunião com empresários e lideranças políticas. A notícia vem sendo encarada como factoide por muitos são-mateuenses, que já viram ameaças de fechamento da SIX no passado e criticam oportunismo político em torno da situação.

A reunião teve argumentação por parte daqueles que trouxeram a informação, e manteve a atenção do grupo. Outro encontro ficou de ser promovido com a gerência da unidade, e ficou mantido o alerta e a comunicação entre o grupo de empresários, políticos e entidades.

O Sindicato dos Petroleiros do Paraná e Santa Catarina (Sindipetro PR/SC) divulgou uma nota oficial na qual informa que buscou mais informações junto ao representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da Petrobras, na Diretoria Executiva e na Diretoria de Abastecimento. A resposta que veio de todas essas instâncias é de que não há posição oficial, tampouco conclusiva. “Contudo, isso não representa menos preocupação”, diz a nota. “O Sindicato se mantém atento e vai buscar o diálogo sobre o caso diretamente com a Direção Executiva da Petrobras. A manutenção das atividades da SIX será defendida”.

Para o Sindipetro, “em uma visão estritamente imediatista, financeira e mercadológica, a SIX não está sendo rentável no cenário atual, mas pode recuperar a sua lucratividade com uma leve retomada do preço do barril. No entanto, por ser um projeto estratégico, não pode ficar à mercê da instabilidade do mercado financeiro”.

 

Paraná se movimenta

Na tarde desta quarta-feira (20), o governador do Paraná, Beto Richa, recebeu políticos, representantes do setor produtivo paranaense e lideranças da região para discutir o assunto. Uma forte comitiva são-mateuense marcou presença, com membros do Executivo e Legislativo Municipal, ACIASMS, CDL e Loja Maçônica Obreiros da Liberdade, que ressaltou os números da Petrobras em impostos e todos os aspectos sociais gerados pela SIX, além das áreas que ainda podem ser alavancadas. Beto Richa mostrou preocupação em relação aos impactos de uma possível desativação da unidade e falou em uma mobilização conjunta. “Temos audiências marcadas e ainda vamos buscar outros contatos e mobilizar toda a classe política, além do setor produtivo que já se manifesta favorável a esta demanda. A união de todos seria importante para que tivéssemos de fato êxito e não se confirme este ruído que estamos ouvindo, de um eventual fechamento da Petrobras [em São Mateus]”.

No dia 4 de fevereiro, está marcada uma reunião da bancada do Paraná com o Ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga.

 

Gerência da SIX recusa reunião

Na terça-feira (19), a gerência geral da SIX encaminhou um ofício em resposta à solicitação do empresariado local, no qual se recusa a participar de reunião proposta pela ACIASMS e pela CDL para falar sobre o assunto. No documento, o gerente geral José Alexandrino Machado diz entender que as divulgações recentes na mídia local e regional geraram ansiedade, mas diz que não há qualquer decisão quanto ao fechamento da SIX e que outras informações sobre o assunto devem ser angariadas junto à sede da Petrobras ou, no caso da imprensa, por meio da assessoria. Portanto, disse que não seria possível promover o encontro solicitado.

 

CARTA ABERTA À POPULAÇÃO

Prezados munícipes

A Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de São Mateus do Sul, bem como a CDL, a Secretaria de Indústria e Comércio, a Câmara Municipal de Vereadores, os Rotary Club’s locais, as Lojas Maçônicas do município, a imprensa local e lideranças políticas, informam que, em reunião na data de 15 de janeiro de 2016, na sede da ACIASMS, entre as entidades acima mencionadas, representantes e autoridades do poder público, empresários dos mais diversos ramos e profissionais liberais, discutimos as notícias da possibilidade de cessação das atividades da Unidade de Industrialização do Xisto (SIX) da Petrobras em nossa cidade.

Entre os motivos de tal atitude, indagamos ou supomos que sejam: a crise econômica, da política, do petróleo mundial e de readequação, tendo em vista as denúncias envolvendo os processos e gerenciamento de unidades da Petrobras.

Esses motivos levam a um estudo de rentabilidade de cada planta das unidades da Petrobras e, de antemão, fomos noticiados por lideranças políticas locais que nossa unidade está passando por esse processo.

Foi oficiado o gerente geral da Unidade SIX, Sr. José Alexandrino Machado, para agendamento de reunião, e assim a estatal poderia ter a oportunidade de esclarecer a comunidade sobre a realidade dos fatos.

Somaremos todos os esforços de entidades, autoridades, empresários e pessoas para que, juntos, possamos colocar a devida importância aos responsáveis por tal decisão, para que, em hipótese nenhuma, venha a ser cogitado de fato o fechamento de nossa SIX.

Comentários

Leia também:

Prefeito, vice e vereadores tomam posse em Antonio Olinto

Posse em Antonio Olinto

02 de janeiro de 2017

sem-titulo-1

Retrospectiva 2016

23 de dezembro de 2016