Empresariado se mobiliza em prol do desenvolvimento local

26 de fevereiro de 2016

Reunião deu início a uma ampla discussão sobre vocações do município e ao mesmo tempo os empecilhos para o surgimento de novas empresas

 

DSC_0169Foto: jornal ACONTECEU

 

Depois da grande articulação que se criou em defesa da Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), sob risco de fechamento, reascendendo as atenções sobre sua importância econômica e social para São Mateus do Sul, tornou-se mais imediato do que nunca pensar São Mateus do Sul de uma nova forma, sob a perspectiva de um desenvolvimento além da dependência da Petrobras. E um dos setores que começou agora a se mobilizar é justamente o empresarial, que, a partir de uma reunião realizada na quinta-feira (18), deu início a discussões sobre o potencial de investimento na cidade e os empecilhos que travam o surgimento de novas empresas.

O encontro reuniu empresários da cidade e foi promovido pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de São Mateus do Sul, que propôs refletir o impacto dos últimos acontecimentos para São Mateus do Sul e se organizar, com entidades, organizações e lideranças locais, para vislumbrar outras vertentes e permitir a atração de novas empresas por meio da oferta de infraestrutura, incentivos e oportunidades. “Acreditamos que, enquanto nossas lideranças políticas assumem as suas articulações no caso SIX, o que nada mais é do que a obrigação dos cargos que ocupam e para quem destinamos nossa confiança desde o momento do voto, podemos agir paralelamente, reunindo pessoas de visão estratégica e empreendedora do setor privado”, propôs a presidente da CDL, Ingrid Eliane Hoch Ulbrich, sugerindo um caminho a se traçar. “Por meio de um planejamento, mapear os pontos fracos e fortes de nosso município, descobrir suas vocações e mercados ainda não explorados, apontar empecilhos e dificuldades locais na abertura de novas empresas e, assim, auxiliar São Mateus do Sul a traçar uma identidade própria”.

Na ocasião, Ingrid apresentou aos presentes um material informativo sobre os passos para tornar uma cidade empreendedora, que vão do planejamento, atenção ao mercado e infraestrutura até o simples cuidado com a cidade. A presidente da CDL também ressaltou a importância de uma posição contundente em relação à classe política. “Nós precisamos pautar os políticos, fazer com que eles aceitem nossas ideias e não o contrário. Temos que inverter essa relação, e fazer com que eles se comprometam com o que necessitamos”.

Presente na reunião, o secretário municipal de Indústria e Comércio, Renato Possebon, destacou a chegada do gasoduto da Companhia Paranaense de Gás (Compagas) como um avanço significativo ao potencial do município perante novas indústrias. “Tenho certeza que com o gasoduto teremos empresas de porte também, pois a energia é fundamental para isso. Temos um bom nível das nossas escolas, uma boa qualidade de vida, um bom serviço médico-hospitalar, estrutura hoteleira, infraestrutura do município. Temos os fatores para atrair, mas falta a energia”. Possebon também ressaltou o potencial dos setores de avicultura, suíno e leiteiro, e destacou ser fundamental também dar atenção às micro e pequenas empresas, hoje cerca de 700 cadastradas no município e perto de 400 regularizadas. “Se todas estiverem regularizadas, formarão no mínimo 700 empregos, o que é bem mais do que uma grande empresa”.

Ainda em relação aos empregos, os empresários se ativeram ao fato de que muita mão de obra capacitada aqui acaba saindo da cidade por não encontrar postos de trabalho.

O assunto já gerou diálogo e o surgimento de sugestões por parte dos empresários presentes, dando o pontapé inicial para que ações práticas e mais incisivas se originem a partir de então. Uma nova reunião está marcada para a noite desta quinta-feira (26).

Comentários

Leia também:

Prefeito, vice e vereadores tomam posse em Antonio Olinto

Posse em Antonio Olinto

02 de janeiro de 2017

sem-titulo-1

Retrospectiva 2016

23 de dezembro de 2016