EDITORIAL – Xisto Agrícola: agora é com o IAP

12 de agosto de 2016

Mais uma vez, usamos este espaço de editorial para escrever sobre o Xisto Agrícola. Isso porque o projeto está em evidência mais uma vez esta semana, ganhou a atenção de muita gente, mas ainda assim segue em uma maré de indefinições para se tornar realidade. Agora, a bola foi passada para o Instituto Ambiental do Paraná (IAP). Isso porque cabe ao órgão deliberar quanto às liberações ambientais.

É mais que compreensível que o órgão precise analisar com cautela todos os pormenores de projetos como esse, levando em conta a questão ambiental e alimentar, afinal, todos querem desenvolvimento, mas com toda segurança. Mas é uma verdadeira prova de paciência e persistência, no entanto, aguardar por isso tanto tempo. Mesmo com todo o trabalho envolvido no planejamento deste projeto para garantir sua viabilidade. Além dos estudos de eficiência, o tamanho investimento em pesquisas comprovando a segurança ambiental e alimentar.

Cabe reiterar, também, a importância de outros fatores diretamente ligados ao projeto, como o retorno financeiro para a Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), para a cidade, o estado e o país, a criação de novos empregos diretos ou indiretos com novas indústrias (a Microxisto, já em atividade usando a água de xisto, é um bom exemplo), e a própria carência do país quando o assunto é fertilizantes.

Nos perguntamos o porquê de tanta demora na liberação. Reuniões técnicas, segundo o presidente do IAP, serão necessárias para a aprovação do pedido. Mas, depois de tantos anos, tantos estudos com as mais importantes entidades sobre o assunto, sinceramente, não dá para entender.

Comentários

Leia também:

Prefeito, vice e vereadores tomam posse em Antonio Olinto

Posse em Antonio Olinto

02 de janeiro de 2017

sem-titulo-1

Retrospectiva 2016

23 de dezembro de 2016