Antiga sede da Cooperativa Iguamate e da Maracanã está sendo demolida

10 de junho de 2016

Espaço com mais de 70 anos está intimamente ligado a ciclos importantes da história de São Mateus do Sul

 

883barracão6Foto: jornal ACONTECEU

 

Mais uma edificação histórica de São Mateus do Sul está indo ao chão. A estrutura que foi sede da Cooperativa de Produtores de Mate Iguaçu Ltda (Iguamate) e posteriormente da Ervateira Maracanã, na rua Evaldo Gaensly, já teve a parte de madeira dos fundos derrubada e será, aos poucos, demolida por inteiro.

O espaço, que ocupa uma área de 3 mil metros quadrados em frente à Praça Flórido do Nascimento, foi erguido nos anos 1940 para sediar a Iguamate, criada para atender à crescente demanda de produtores do setor ervateiro. Para a época, a localização era privilegiada: próximo ao porto que despachava a produção pelos vapores, e na então chamada Rua Niterói, principal via do antigo centro comercial da cidade —hoje conhecido como “São Mateus Velho”. “Possivelmente foi um dos maiores prédios da cidade, na primeira metade do século passado, e no coração de São Mateus na época”, comenta o pesquisador Nelson Chaves de Souza, que nos ajudou a levantar fatos históricos sobre o lugar para esta reportagem.

Segundo o livro São Mateus do Sul 100 Anos, de Audrey Farah, a Iguamate era subordinada à Federação do Mate do Paraná, sediada em Curitiba, e recebia a erva cancheada de seus associados, entregando então à Federação, para beneficiamento e comercialização, no mercado interno ou para exportação. “Havia um sistema de moagem — soque — da própria Iguamate, para consumo dos cooperados, e um armazém que atendia os associados e familiares”, relata a autora. Na fundação da Iguamate estiveram nomes muito conhecidos dos são-mateuenses, como Arnoldo Prohmann, Theodoro Toppel, João Gabriel Martins, Francisco Ferreira Guimarães, Jocelyn Furtado Neves, Manoel Furtado Neves e Francisco Bruno Kaminski Filho, mas muitos outros líderes do setor ervateiro local também atuaram na Cooperativa. Conforme resgatado por Marisa Correia de Oliveira na dissertação de mestrado “Estudo da Erva Mate no Paraná”, a Iguamate chegou a quase 1,4 mil associados na década de 1940 e estava no topo das cooperativas ligadas à Federação.

As fotos resgatadas do acervo de Nelson Chaves e da Casa da Memória mostram a edificação em diferentes fases. Vista da praça quando ainda estava em construção; pronta como sede da Cooperativa; e atingida pela enchente de 1983. Nesta última, o espaço já aparece como Indústria e Comércio de Erva Mate Maracanã Ltda. Depois que a Cooperativa perdeu força, no final dos anos 1960, o depósito acabou comprado pela família Toppel, que logo fundou a Ervateira Maracanã.

 

Demolição

De acordo com o proprietário Antonio Carlos Portes, a demolição do barracão foi uma solicitação da Prefeitura devido à fragilidade da estrutura, que vinha ameaçando os moradores da área aos fundos da propriedade. Apenas com a fachada em alvenaria, a construção em madeira já foi muito castigada pelas enchentes.

Mais recentemente, o espaço foi utilizado por um bazar e uma autoelétrica e mecânica e estava há alguns meses à venda. Sem possibilidade de ser revitalizada da forma como está hoje, segundo o proprietário, toda a estrutura vai sendo, aos poucos, desmanchada. “É uma pena, mas está muito deteriorada”, diz.

Em menos de dois anos, é a segunda construção histórica de São Mateus do Sul que vai ao chão. Em agosto de 2014, o casarão de quase 90 anos da família Guimarães, na rua Tenente Max Wolff Filho, foi demolido pelos atuais proprietários. E agora, outro espaço intimamente ligado a ciclos importantes da história da cidade, vai deixar de existir. Em nenhum dos casos, houve iniciativa do poder público de adquirir os espaços para garantir a preservação, quem sabe, com algum uso cultural, e manter vivos os símbolos da história de São Mateus do Sul.

 

Fotos: jornal ACONTECEU/Acervo Casa da Memória/Acervo Nelson Chaves/João Budzinski

Comentários

Leia também:

Prefeito, vice e vereadores tomam posse em Antonio Olinto

Posse em Antonio Olinto

02 de janeiro de 2017

sem-titulo-1

Retrospectiva 2016

23 de dezembro de 2016